• 13/11/2019

    Clima econômico do Brasil tem em outubro pior patamar do ano


    FONTE: Valor       

     

    A avaliação do mercado sobre o clima econômico do Brasil deve encerrar o ano com sinal negativo. O alerta partiu da pesquisadora da Fundação Getulio Vargas (FGV) Lia Valls, ao comentar os resultados da Sondagem da América Latina, anunciados nesta segunda-feira pela fundação em parceria com o instituto alemão Ifo.

     

    Na pesquisa, o Índice de Clima Econômico (ICE) da América Latina ficou em 18,8 pontos negativos em outubro, ante 10,1 pontos negativos na pesquisa anterior, de julho. Um dos fatores que contribuíram para o resultado foi a manutenção de trajetória negativa no ICE do Brasil, que passou de 23,2 pontos negativos para 25 pontos negativos, entre julho e outubro. Foi o pior patamar do ano para o clima econômico referente ao Brasil, perdendo apenas para a edição de outubro do ano passado (33,9 pontos negativos).

     

    A frustração do mercado com a ausência de retomada mais ágil no crescimento econômico brasileiro levou ao resultado. Esse cenário deve permanecer até o fim do ano, nas palavras da especialista. “Teria que ter uma melhora muito grande na [avaliação de] situação atual [do Brasil]”, disse. “E não me parece que até o fim do ano se consiga reverter o atual cenário”, afirmou ela.

     

    Na pesquisa, a pontuação dos indicadores de ICE leva em conta o saldo entre as respostas positivas e as negativas – no caso da edição de outubro, foram pesquisados 109 especialistas em 14 países. Ou seja: na prática, quanto mais negativo o saldo, pior o cenário.

     

    A técnica comentou que, no caso do Brasil, os especialistas não estão visualizando sinais de impacto, na economia, das recentes ações do governo para incrementar a atividade.

     

    Isso se reflete na evolução dos dois sub-indicadores componentes do ICE. O Índice de Situação Atual (ISA) do Brasil se manteve em 75 pontos negativos entre julho e outubro, também o pior resultado do ano, perdendo apenas para o de outubro de 2018 (77,8 pontos negativos).

     

    Nem mesmo as projeções em relação ao Brasil ajudaram a melhorar a avaliação de clima econômico no país. O Índice de Expectativas (IE) diminuiu de 50 pontos positivos para 45 pontos positivos de julho a outubro.

     

    Ela mencionou que, além do crescimento econômico fraco, a instabilidade política ainda preocupa, no caso brasileiro.

     

    Além disso, a especialista notou que não houve boas notícias expressivas no front econômico. “O leilão do pré-sal não foi como eles imaginavam” ela lembrou, citando o certame realizado na semana passada, que não atraiu empresas privadas estrangeiras e arrecadou menos do que o esperado.

     

    “E, no caso da demanda, uma possível melhora não está acontecendo”, afirmou. “Creio que temos um cenário de muitas incertezas, não somente no Brasil”, disse, reiterando achar difícil que o quadro atual da atividade econômica do país passe por algum tipo de melhora rápida até o fim do ano.

     

    Notícias relacionadas:

    Serviços

    O Sindipesa mantem convênio com a Paulicon consultoria nas questões relacionadas a legislação que afeta o transporte rodoviário de cargas, de trânsito, tributária e trabalhista através do telefone (11) 4173-5366

    

    Parceiros Mantenedores