• 24/05/2018

    Greve dos caminhoneiros continua; 40% dos ônibus param em SP


    FONTE: VEJA.           

    Além de falta de gasolina e problemas no transporte, paralisações afetam diversos setores da economia: Correios atrasam entrega, aéreas têm problemas.

    Os caminhoneiros entraram nesta quinta-feira no quarto dia de manifestações contra o preço elevado dos combustíveis. Vinte estados e o Distrito Federal têm paralisações. Segundo a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que lidera os protestos dos profissionais autônomos em todo o país,a greve só será suspensa com a publicação no Diário Oficial da decisão do governo de zerar a alíquota das Contribuições PIS/Cofins e Cide para o diesel. Depois de decidirem, nesta quarta-feira, 23, manter a greve que obstrui estradas em ao menos 11 estados brasileiros, os caminhoneiros voltarão a se reunir com o governo do presidente Michel Temer nesta quinta-feira, às 14h.

    A paralisação tem provocado desabastecimento de combustíveis e de alimentos em diversos estados. Em São Paulo, 40% dos ônibus municipais, pararam nesta quinta por falta de diesel. Também há problemas de desabastecimento em vários estados do país. A elevação no preço do diesel é o principal motivo que leva os caminhoneiros a interromperem o trânsito nas rodovias. Entre os desdobramentos da paralisação nas estradas do país estão ameaças ao abastecimento em indústrias, no varejo, em distribuidoras de combustíveis e entrepostos de alimentos.

     

     

    Notícias relacionadas:

    Serviços

    O Sindipesa mantem convênio com a Paulicon consultoria nas questões relacionadas a legislação que afeta o transporte rodoviário de cargas, de trânsito, tributária e trabalhista através do telefone (11) 4173-5366

    

    Sócios Mantenedores