• 23/05/2018

    Para especialistas, zerar a Cide terá pouco efeito no preço dos combustíveis


    FONTE: ESTADÃO. COLUNA: ECONOMIA & NEGÓCIOS.

                   

    Presidente da consultoria Datagro afirma que mudança na carga tributária teria efeito de, no máximo R$ 0,08

    O presidente da consultoria Datagro, Plinio Nastari, disse que mudanças na carga tributária incidente sobre os combustíveis terão efeito paliativo para o consumidor. Segundo ele, zerar a Cide teria um impacto de, no máximo, R$ 0,08 centavos no preço final dos combustíveis. Hoje, a cobrança da Cide é de R$ 0,10 por litro de gasolina e de R$ 0,05 por litro de diesel. "Isso não traria nenhum resultado de curto, médio e longo prazos para o consumidor", disse.

    A cobrança de impostos tem um peso de 44% do valor total da gasolina, sendo 2% Cide, 14% PIS/Cofins e 28% de ICMS. No óleo diesel, a incidência tributária é responsável por 27% do preço final do produto. A distribuição é: 1% Cide, 12% Pis/Cofins e 14% ICMS.  Já no etanol, impostos são responsáveis por 26% do preço do produto final, sendo 9% PIS/Cofins e 17% de ICMS.

    Apesar de todos os reajustes aplicados nos combustíveis pela Petrobras desde 2016, quando a empresa mudou a política de preços e começou a repassar as variações internacionais, a gasolina ainda está barata no Brasil, disse Nastari.

    A Cide é responsável por 2% do preço total da gasolina e de 1% do preço do diesel Foto: Pixabay/StockSnap

     

    Segundo dados da Datagro, até a última sexta-feira (18), a gasolina no País estava com uma defasagem de 11,75% em relação ao preço de referência internado - que considera o valor do combustível importado, mais frete, seguro e despesas portuárias. Nessa mesma base, considerando os últimos 30 dias, a defasagem está em 12,61%.

    "Temos que ter consciência de que, no Brasil, não existe combustível fora do preço de mercado. Os preços que estamos observando são os que refletem aproximadamente a realidade de preços internacionais", disse.

    Ele defende a política de preços realistas seguido pela Petrobras. "Não dá para termos preços definidos politicamente, com subsídios, de forma arbitrária. Isso traz distorções graves a todo o sistema, quase faliu a Petrobras e trouxe problemas para toda a cadeia do setor", disse.

    Para Nastari, o governo deve explicar a situação à população e investir em medidas de eficiência e uso racional de combustíveis, além de incentivar a conversão de veículos para fontes mais eficientes. "Não adianta, por um passe de mágica, tomar medidas populistas. Isso seria um grande retrocesso, teria pouco efeito para o consumidor e traria um problema maior, que é de credibilidade para a Petrobras. Não é saudável."

     

    O presidente da Datagro afirma ainda que a Cide foi concebida para ser um tributo regulador de mercado, criando um colchão para absorver as variações de preços motivadas por questões geopolíticas, como o momento atual. "Quando o preço do petróleo caiu, a Cide deveria ter aumentado e capturado essa queda para criar essa reserva. Como a queda de preços foi transmitida para o mercado, agora não há como reduzir a Cide e compensar essa alta de preços de mercado."

    O diretor do Centro Brasileiro de Infra Estrutura (CBIE), Adriano Pires, também disse que a Cide tem pouco efeito para o consumidor. "Zerar a Cide tem pouco impacto no preço da bomba, mas mostraria que o governo está tomando uma atitude e, ao mesmo tempo, não congelando os preços", afirmou.

    Para Pires, apenas a redução de impostos como PIS/Cofins, por parte da União, e ICMS, por parte dos Estados, teria efeito para o consumidor. No caso do ICMS, segundo ele, uma das alternativas seria impor um teto no Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF), que é atualizado quinzenalmente pelos governos. É sobre esse preço que incidem as alíquotas de ICMS - em São Paulo, por exemplo, é de 25%, e no Rio de Janeiro, de 34%.

    "Em vez de pedir para os Estados baixarem as alíquotas, mais fácil seria convencê-los a aplicar um teto nesse preço, sem causar grandes confusões políticas", afirmou.

     

    Notícias relacionadas:

    Serviços

    O Sindipesa mantem convênio com a Paulicon consultoria nas questões relacionadas a legislação que afeta o transporte rodoviário de cargas, de trânsito, tributária e trabalhista através do telefone (11) 4173-5366

    Consultoria Tributária Bastazini
    O Sindipesa mantem convênio com a Bastazini Consultoria Tributária para consultas sobre questões tributárias nas importações de máquinas e equipamentos (Definitiva e temporária), assim como trabalho institucional junto aos órgãos governamentais, em especial receita federal, MDIC, MTE e planejamento. O contato com a empresa pode ser feito através do telefone (13) 3027-4788 ou email jose.bastazini@yahoo.com.br