• 08/02/2017

    As mais complicadas restrições de circulação de caminhões no Brasil estão na região metropolitana de São Paulo.


    Pesquisa da Diretoria de Especialidade de Abastecimento e Distribuição do SETCESP com apoio do IPTC (Instituto Paulista de Transporte de Cargas) também identificou disparidades com relação a legislação que padroniza os horários de circulação para veículos de carga
     
    Cerca de 46% dos municípios que compõem a grande Região Metropolitana de São Paulo possuem restrições à circulação de veículos de carga. O levantamento, realizado pela Diretoria de Especialidade de Abastecimento e Distribuição do SETCESP com apoio do IPTC, também identificou que não há padronização nos horários de restrição entre os municípios da região e, tão pouco, uniformização com relação as dimensões máximas permitidas para o uso dos veículos urbanos de carga (VUCs).
     
    Para Tayguara Helou, presidente do SETCESP, a falta de padronização das dimensões  e das restrições de circulação dos veículos de carga em toda a região metropolitana e a multiplicação dos veículos utilitários leves, que individualizam o transporte de carga ao invés de coletivizá-lo, são apontadas como fatores de complicação para o abastecimento urbano nas cidades e o aumento dos engarrafamentos. “Por meio do trabalho do SETCESP e do IPTC buscamos lançar junto as prefeituras da região metropolitana propostas e iniciativas de cunho técnico para poder melhorar a mobilidade e a eficiência no transporte de cargas”, completou.
     
    A apresentação com o resultado do estudo do SETCESP está disponível aqui.

    Notícias relacionadas:

    Serviços

    O Sindipesa mantem convênio com a Paulicon consultoria nas questões relacionadas a legislação que afeta o transporte rodoviário de cargas, de trânsito, tributária e trabalhista através do telefone (11) 4173-5366

    

    Sócios Mantenedores